Julia Pastrana

 Uma mulher encontra enfim um final digno de uma vida indigna.

Seu “empresário” e próprio marido a chamou de mulher de urso, mulher gorila e “o elo perdido entre a humanidade e os macacos”. Ela ficou conhecida no imaginário popular durante meados do século 19 como "a mulher mais feia do mundo." Depois que ela morreu de complicações de parto, seu corpo e o corpo de seu bebê foram durantes décadas expostos Europa.

Em 2013, 153 anos após a sua morte, em 1860, a mulher, Julia Pastrana, vai finalmente ter um enterro apropriado perto de sua terra natal, em Sinaloa, no México. Seu retorno para casa a partir de uma sala de armazenamento trancada em um instituto de pesquisa Oslo não teria sido possível sem os esforços de quase década de uma artista visual baseada em Nova York Laura Anderson Barbata.

Em 2003, a irmã de Ms. Barbata, Kathleen Anderson Culebro, produziu uma encenação de "A Verdadeira História da vida trágica e triunfante morte de Julia Pastrana, a mulher mais feia do mundo", no Texas. Essa peça teve sua estréia em Londres em 1998 e foi realizada quase que totalmente no escuro. Mr. Prendergast disse em um e -mail que a definição de "parecia o casamento perfeito - uma mulher conhecida por sua feiúra, mas com uma bela voz, apresentados de uma forma que possa obrigar a audiência para conjurar-la com sua imaginação."

Pastrana também foi tema de filmes, incluindo "A Mulher Macaco" de (1964), uma canção de rock alternativo, e uma história em quadrinhos.

Ms. Barbata, que nasceu na Cidade do México e cresceu em Sinaloa, fez os figurinos para a produção de sua irmã. Ela foi movida pela história de Pastrana.

"Eu senti que ela merecia o direito de recuperar sua dignidade e seu lugar na história e na memória do mundo", disse Barbata de Oslo. "Eu esperava ajudar a mudar a sua posição como uma vítima de uma época para onde ela pudesse ser vista em sua totalidade e complexidade."
Pastrana nasceu no México em 1834. Ela tinha duas doenças raras, não diagnosticadas em sua vida:
Lanuginosa generalizada hipertricose, que cobriu o rosto e corpo com grosso cabelo, e hiperplasia gengival, que engrossou os lábios e gengivas.

Um administrador de circo de horrores (um negócio crescente de exposições itinerantes que apresentam singularidades humanas.) comprou Pastrana em 1854 e começou a exibi-la por todo Estados Unidos e Canadá. Embora a escravidão houvesse sido abolida no México décadas antes, muitos artistas de circo foram ainda vendidos. Em Nova York Pastrana casou com Theodore Lent, um empresário do ramo que viu que seria mais fácil ter a permissão de expô-la se fosse seu cônjuge.

"Ela era definitivamente apaixonada por seu marido", disse Jan Bondeson, reumatologista da Universidade de Cardiff, no País de Gales, cujo livro "A Cabinet of Medical Curiosities" inclui um capítulo sobre Pastrana. "Estou certo de que a razão pela qual ele se casou com ela foi que ele poderia manter o controle sobre ela e seus ganhos".

Lent rodou toda a Europa com a mulher, onde alguns jornais e livros descreveram sua aparência como "Revoltante ao extremo". Alguns sentiram que sua aparência mascarava outras qualidades. No entanto Francis Buckland, historiador natural britânico escreveu em um livro em 1868 que Pastrana tinha uma voz doce, um grande gosto pela música, dança, e falava três línguas. Ele acrescentou: “Ela era muito caridosa, e deu grande parte de seu salário para instituições de caridade locais”.

E como seria se Julia nos contasse um pouco de sua vida e morte?

Eu, Julia.

Para os olhos públicos, eu tinha uma aparência muito estranha. Com meu corpo coberto de pêlos, e rosto ainda mais. A mandíbula Projetada e gengivas muito inchadas adicionavam ainda mais estranheza a minha aparência, pequenos pés. Mas para o público, eu, aquela mulher ali a se
apresentar não tinha dignidade. Mas quando de pé em frente de uma platéia de milhares de pessoas, eu não era uma aberração, eu era somente Julia, e enfrentava a platéia com as mais belas canções entoadas com minha encantadora voz. Eu tinha um grande equilíbrio e dançava bem. Ciente do fato de que eu era diferente, usava a minha pequena estrutura (1,35) e poderosa persona para minha vantagem. Os cientistas da época achavam que eu era um híbrido entre humano e orangotango, e acreditavam erroneamente que tinham encontrado um elo perdido. Após me mudar para Cleveland com um novo promotor, eu comecei a virar o jogo ao meu favor e fui encantando o público com a minha graça. Meu nome era susurrado entre as pessoas e eu comecei a ficar muito conhecida, sendo inclusive convidada para grandes bailes de gala e militares. Em uma dessas ocasiões, eu tive a honra de dançar com os soldados, que fizeram fila para ter a chance de dançar comigo, se eu me importava que eles só quisessem a chance de estarem perto de mim por eu ser diferente? Naquele momento não me importava, eu queria sonhar e imaginar que todos aqueles belos rapazes estavam ali para me cortejarem e eu escolheria entre um deles para me fazer para sempre feliz. O quanto feliz que eu pudesse ser. Mas foi só minha imaginação e as
excurções por todos os Estados Unidos recomeçaram. Cheguei a ponto em que imaginei que a curiosidade pudesse virar admiração, quando fui convidada para a Sociedade de Horticultura e para a sociedade de História de Boston. A Inglaterra tomou conhecimento de mim e declarou nos jornais da época, que eu era uma raridade incrível. Eles não podiam acreditar quando perceberam que eu não era só uma boa cantora, mas eu era culta, lia muito e falava três línguas e eles se espantaram. Como poderia eu, considerada o elo perdido poder ter cultura? Além disso, eu tinha sonhos, desejos e uma grande sede de conhecimento e voluntariamente me entreguei a um não, mas vários humilhantes exames médicos, para tentar descobrir quais eram meus problemas, um porque da minha aparência que não condizia com meu intelecto. Dinheiro não movia minha vida, não como movia a de Lent. Após a adulação em Londres, começou uma turnê na Alemanha, partindo de Berlim. E eu queria tanto mudar. Queria me misturar passar despercebida em um mundo onde todos querem de alguma forma se destacar, tudo que eu queria era uma vida tranqüila. Então como vi que não poderia ser de uma vez, convenci Lent a me apresentar como uma atriz de teatro. Seria em uma peça chamada Der Curierte Meyer, que era um cruzamento entre uma história de amor e uma comédia. Nessa época, eu recebia várias propostas de casamento, mas por dentro me sentia insegura com minha aparência, então quando me perguntavam por que eu nunca havia casado, eu só podia fingir e atuar que não doía e respondia o que Lent me orientou, que meus pretendentes não eram ricos o suficiente. Só que a convivência com Lent era tão longa e tão estreita que eu me convenci que ele poderia mesmo me amar pelo o que eu era, e não pelo dinheiro que eu arrecadava e aceitei o pedido dele, me tornando sua esposa e em 1857 nos casamos e eu gostava dele, era dele o máximo de intimidade que eu tinha apesar de seus arroubos e suas idéias de me levar a mais e mais médicos para mais exames sem a menor diginidade.
Eu me senti muito magoada quando chegamos a Viena e Lent me avisou que eu não estava autorizada a sair de dia. Será que era por vergonha? Será que meu próprio marido tinha vergonha de mim? Ele mudou, muito, se tornando mais e mais agressivo, e no momento em que já havíamos excursionado pela Polônia e Rússia, eu percebi que estava grávida, por um momento antes de contar a Lent me senti tão feliz, meu sonho de formar uma família iria se realizar, Mas eu não me dei conta de que para Lent a chegada de nosso filho era para ele um desastre, eu teria que dar uma pausa nos espetáculos, viagens e passeios e o pior, perder dinheiro. Eu vi Lent entrar em pânico por que eu poderia morrer. Mas mesmo sendo por causa do dinheiro eu queria acreditar que era por mim, Julia, sua esposa. Não por Pastrana a atração. Mas era por causa da segunda opção. Então fomos informados que a gravidez era de alto risco por causa do tamanho dos meus quadriz. Em 20 de março de 1860, eu dei à luz a um menino. Como toda mãe, eu pensava em nomes e como ele poderia se parecer ou vir a ser no futuro. Mas meu bebê nasceu coberto de cabelo. E eu só conseguia desejar que ele fosse saudável e não tivesse a personalidade de Lent. Mas o que começou como um sonho para mim terminou tragicamente depois de 35 horas. Meu bebê que mal havia chegado ao mundo, já partia levando quase tudo que eu tinha dentro do meu peito. E eu sentia que meu tempo também estava chegando ao fim. Complicações durante o parto me deixaram fraca e na verdade eu não queria melhorar, eu não queria continuar a ser como um objeto de curiosidade alheia e em apenas cinco dias depois, dei meu último suspiro. Eu estava livre. Assim eu achei. Você poderia pensar que depois da minha morte eu e meu filho teríamos um final digno, um funeral e tratado como a senhora que era. Mas não era para ser. Lent só queria saber da potencial perda de ganhos com minha morte.
Lent, meu marido, vendeu os corpos, meu e de nosso filho para um professor da Universidade de Moscou. Ele nos dissecou e depois de alguns meses aperfeiçoando o processo, ele nos colocou no Museu da universidade, onde mais uma vez eu e agora meu bebê seríamos fonte de curiosidades para

multidões de pessoas. Lent percebeu o que tinha acontecido e para o horror do público, ele tomou os passos horríveis e inacreditáveis de ir ao tribunal para retomar a posse de nossos corpos. Ele foi bem sucedido. Em 1862, eu voltei para a Inglaterra. Exibida humilhantemente vestida com um de meus vestidos de dança e meu pobre filho, que não teve sequer a chance de viver foi colocado em um pedestal e exibido, ao meu lado vestindo uma roupa de marinheiro. As multidões vieram aos milhares, pagando até um xelim para olhar a berração de uma mulher já morta e seu bebê.
Inacreditável isso. Mas não termina aqui. Oh, não. Lent incrivelmente conseguiu se casar com outra mulher que parecia ter as mesmas deficiências que eu, e depois de um tempo, ele então mentiu ao proclamar o fato de que sua nova esposa era minha irmã. Ele a nomeou Zenora Pastrana. Se isso não fosse ruim o suficiente, então ele usou a mim, meu filho, e levou a todos em turnê com ele e sua nova esposa. Uma grande família feliz então. Lent, finalmente cansado da vida intinerante retirou-se com sua nova esposa e fixaram residência em São Petersburgo, onde eles se estabeleceram em um pequeno museu de cera. Então, inesperadamente, Lent teve um colapso mental e acabou no sanatório psiquiátrico local. Sua riqueza não significava nada, a vida humilhante que me fez passar desde o dia em que nos conhecemos nada significou a ele, e tudo que ganhou me explorando ele nunca ia ser capaz de apreciar. Pouco tempo depois, ele morreu. Zenora, depois, se casou com um homem muito mais jovem. As múmias que eram o meu corpo e de meu bebê desapareceram durante


décadas. Aparecemos novamente na Alemanha de Hitler, onde fomos exibidos mais uma vez nos territórios ocupados. Será que esse tormento teria algum dia um fim? Nos anos cinqüenta e sessenta, nós fomos exibidos, principalmente como uma curiosidade. Muitas pessoas não acreditavam que essas múmias poderiam ser reais. Que dirá que um dia tive intelecto, sonhos esperanças de uma vida digna para mim e meu filho. Então nosso tormento teve um fim? Não! Mas em poucas palavras, eu e meu filho fomos passados ​​de pessoa para pessoa, de país a país, até que um dia, em 1976, a instalação de armazenamento, onde estava eu e meu filho, foi arrombada e vandalizada. Meu bebê foi feito em pedaços. Fomos, então, remanejados de local e aconteceu à mesma coisa novamente. E meu corpo desapareceu. Em seguida, em 1990, eu fui encontrada no porão do Instituto de Medicina Legal, em Oslo, Noruega. Depois de uma longa negociação entre a Noruega e o México, finalmente



eu fui colocada tão tardiamente para descansar em meu estado natal, Sinaloa De Leyva no México na terça-feira 12 fevereiro, 2013. Depois de uma missa na igreja católica romana local, o meu caixão foi levado para o cemitério da cidade e enterrado com uma banda tocava a música tradicional. O prefeito local fez um ponposo discurso dizendo que nunca mais outra mulher seria usada como objeto, mas como pode dizer isso com o tráfico de mulheres que até hoje ainda acontece? Mulheres que tem suas partes íntimas mutiladas ainda crianças por uma cruel cultura, só para depois serem rasgadas por seus “maridos”? Onde mulheres são estupradas em coletivos, sem que nada seja feito? Nesse mundo que tão pouco mudou, onde a mulher ainda é usada, abusada. Mundo, onde poucos vem a seus socorros? Meu corpo pode hoje, depois de 153 anos descansar em paz, mas ainda há muito a fazer para que esse mundo seja um lugar justo para esse sexo considerado frágil e de tão pouco valor. Eu sei que não verei o dia em que tudo isso irá mudar, mas eu espero e torço para que esse dia amanheça e que possamos mesmos com nossas diferenças, sejam homens, mulheres, crianças, perfeitos ou com anomalias sejamos tratados como pessoas. Indivíduos como é nosso direito.

Texto diário de Julia  -

0 comentários:

"Nós nascemos sozinhos, vivemos sozinhos, morremos sozinhos. Somente através do amor e da amizade podemos criar a ilusão por um momento que não estamos sozinhos."

Orson Wells

Fenix

Fenix

Eu

Image and video hosting by TinyPic

Resolutions for life

Resolutions for life

Fale comigo

Atualizações Por Email

Meus textos no Me, Myself and I

"Para obter algo que você nunca teve, precisa fazer algo que nunca fez".

"Quando Deus tira algo de você, Ele não está punindo-o, mas apenas abrindo suas mãos para receber algo melhor".

"A Vontade de Deus nunca irá levá-lo aonde a Graça de Deus não possa protegê-lo".

"Boas meninas vão para o céu.

"Boas meninas vão para o céu.
As más vão para qualquer lugar" H.G.Brown

Beijo BEM DADO!

Beijo BEM DADO!
13 de Abril - Dia do Beijo!

Robert & Kristen

Robert & Kristen
Essa foto é quente!!!

Pervert


Mulher Maravilha

Mulher Maravilha

Visualizações de páginas da semana passada

Robert Pattinson Ai Meu Deus!

Robert Pattinson Ai Meu Deus!
Niver: 13/05

Addicted

Addicted

FREEDOM

FREEDOM
passarinho na gaiola não canta, lamenta.

Yes, I do

Yes, I do

Bruninho bonitinho...

Bruninho bonitinho,
Se vovozinho pegar
Você dormindo no

Meu sofazinho gostosinho,
Vai cortar seu pir*zinho!

TOMA! ! ! ! !


VINGANÇA!!!!!

Seja antes de tudo Humano...

Seja antes de tudo Humano...
Com seu próximo!

Coments...

Coments...

Janelândia

Janelândia
Passo muito tempo aqui.

Seguidores

Eu Bloggo! Desde 15/01/08

Eu Bloggo! Desde 15/01/08
TU BLOGAS?

Avise, deixe BEM claro!

Avise, deixe BEM claro!

Memento, Homo, Quiá Pulvis Es Et In Pulverem Reverteris.

“Lembra-te, ó homem, de que és pó e ao pó hás de voltar”.