Decoração

















Colírio Novembro - Jack Huston e Emília Clarke

































Árion

ÁRION

Árion foi um famoso músico, que morava na corte de Periandro, Rei de Corinto, de quem era favorito. Havia uma competição musical na Sicília e Árion desejava ardentemente disputar o prêmio. Contou seu desejo a Periandro, que lhe implorou como a um irmão que desistisse da idéia. Fica comigo, peço-te e sê feliz disse o rei. Quem deseja vencer pode perder. Uma vida errante convém melhor ao coração livre de um poeta respondeu Árion. O talento que um deus me concedeu deve servir de fonte de prazer aos outros. E se eu conquistar o prêmio, quanto será aumentado o prazer que ele me der pela consciência de minha fama! Árion partiu, conquistou o prêmio e embarcou de volta, com seu tesouro, num navio coríntio. Na manhã do segundo dia, depois de terem zarpado, o vento soprava suave e favorável. O Periandro, põe de lado teus temores! Exclamou Árion. Em breve há de esquecê-los, quando eu te abraçar. Com que prodigalidade mostraremos nossa gratidão aos deuses e quanto será alegre o banquete festivo! O vento e o mar continuaram propícios. Nem uma nuvem cobria o armamento. Não fora demais confiar no oceano mas deveria Árion ter desconfiado dos homens. Ouviu os marinheiros conversarem em voz baixa uns com os outros e descobriu que estavam planejando apoderar-se de seu tesouro. 
Não tardaram a cercá-lo, aos gritos e ameaças, e disseram: Árion, deves morrer! Se queres um túmulo em terra, resigna-te a morrer onde estamos. Do contrário, lança-te ao mar. Nada vos satisfará a não ser minha vida? Disse Árion. Tomai meu ouro e de boa vontade comprarei minha vida a tal preço. Não, não! Não podemos poupar-te, tua vida seria muito perigosa para nós. Onde poderíamos livrarmo-nos de Periandro se ele soubesse que te havíamos roubado? Teu ouro nos seria de pouca valia se, voltando para nossa terra, jamais pudéssemos nos ver livres do temor. Concedei-me, então retrucou Árion, o último pedido. Uma vez que nada salvará minha vida, que eu possa morrer como tenho vivido, como um bardo. Quando eu tenha entoado meu canto de morte e as cordas de minha harpa tenham cessado de vibrar, então me despedirei da vida e me curvarei, sem queixar, ao meu destino. Este pedido, como os outros, não seria atendido os marinheiros pensavam apenas nos despojos se não fosse o desejo de ouvir um músico tão famoso, que comovia seus rudes corações. Permiti-me acrescentou Árion que componha minhas vestes. Apolo não me favorecerá se eu não estiver devidamente envolto em minhas vestes de menestrel.
Cobriu o bem proporcionado corpo de ouro e púrpura agradáveis à vista, a túnica caía em torno dele com dobras graciosas, pedras preciosas adornavam-lhe os braços, na testa tinha uma coroa de ouro e sobre o pescoço e os ombros flutuavam seus cabelos perfumados de essência. Na mão esquerda tinha a lira e na direita a varinha de marfim com que feria suas cordas. Inspirado, pareceu beber o ar da manhã e brilhar aos raios do sol matutino. Os marinheiros fitaram-no com admiração. Árion avançou até o convés do barco e olhou para as profundidades do mar azul. Dirigindo-se à sua lira, cantou: "Companheira de minha voz, vem comigo ao reino das sombras. Por mais que Cérbero rosne, conhecemos o poder do canto capaz de aplacar-lhe a ira. Vós, heróis do Elísio que atravessastes as águas sombrias, vós, almas venturosas, em breve irei juntar-me ao vosso grupo. Podeis, contudo, aliviar minha dor? Ah! Deixo atrás de mim meu amigo. Tu, que encontraste tua Eurídice e a perdeste de novo tão cedo a encontraste; quando ela se desvaneceu como um sonho, quanto odiaste a alegria da luz! Devo partir, mas partirei sem medo. Os deuses olham para nós. Vós que me matais sem motivo, quando eu aqui já não estiver, chegará vosso tempo de ter medo. Vós, Nereidas, recebei vosso hóspede, que se entrega à vossa mercê!" 
Assim dizendo, atirou-se às profundidades do mar. As ondas cobriram-no, e os marinheiros prosseguiram viagem, acreditando-se livres do perigo de serem descobertos. Os acordes da música de Árion, porém, tinham atraído os habitantes das profundezas marinhas, e os golfinhos acompanhavam o navio como se aprisionados pelo encantamento. Enquanto o bardo lutava contra as ondas, um golfinho ofereceu-lhe montaria e transportou-o são e salvo para a costa. No lugar em que ele chegou à terra foi erguido, mais tarde, um monumento de bronze sobre o rochedo, para relembrar o fato. Quando Árion e o golfinho se separaram, cada um se dirigindo para o seu próprio elemento, o bardo assim manifestou sua gratidão: Adeus, peixe fiel e amigo! Quisera recompensar-te, mas não podes seguir comigo, nem eu contigo. Não podemos ser companheiros. Possa Galatéia, rainha das profundidades marinhas, conceder-te seus favores, e tu, orgulhoso do encargo, arrastar sua carruagem sobre o liso espelho do oceano. Afastando-se do litoral, Árion em breve viu diante de si as torres de Corinto. Caminhava empunhando a harpa, cantando enquanto marchava, cheio de amor e felicidade, esquecido dos prejuízos e atento apenas ao que lhe restava: seu amigo e sua lira. 
Entrou no hospitaleiro palácio e Periandro o recebeu entre os braços. Volto para junto de ti, meu amigo disse ele. O talento que um deus me concedeu tem constituído o deleite de milhares de pessoas, porém malfeitores traiçoeiros privaram-me do meu bem-merecido tesouro. Conservo, contudo, a consciência de minha fama. Contou, então, a Periandro todos os fatos maravilhosos que lhe haviam acontecido e que foram ouvidos com assombro. Será possível que tal perversidade triunfe? Exclamou o rei. Seria inútil, então, o poder que tenho nas mãos. Para que possamos desmascarar os criminosos, deves ficar aqui escondido, de modo que eles aqui se apresentem sem desconfiança. Quando o navio chegou ao porto, Periandro convocou os marinheiros. Não tivestes notícia de Árion? Perguntou. Espero ansiosamente o seu regresso. 
Deixamo-lo bem e próspero, em Tarento responderam. Enquanto diziam estas palavras, Árion apareceu e encarou-os. Seu bem-proporcionado corpo estava coberto de ouro e púrpura agradáveis à vista, a túnica caía em torno dele com dobras graciosas, pedras preciosas adornavam-lhe os braços, na testa tinha uma coroa de ouro e sobre o pescoço e os ombros flutuavam os cabelos perfumados de essência. Na mão esquerda tinha a lira e na direita, a varinha de marfim com que feria as cordas. Os marinheiros caíram prostrados aos seus pés como se um raio os houvesse fulminado. Quisemos assassiná-lo e ele transformou-se em um deus! Oh terra abre para receber-nos! Periandro falou, então: Ele vive, o mestre do canto! O céu misericordioso protege a vida do poeta. Quanto a vós, não invoco o espírito da vingança; Árion não deseja vosso sangue. Vós, escravos da cobiça, saí! Procurai alguma terra bárbara e jamais a beleza deleite vossas almas!
Acordes celestiais então se ouvem
E, flutuando nas ondas, mansamente,
Com o som de sua harpa Árion cativa
O ouvido e o coração de toda a gente.
Até mesmo o golfinho em cujo dorso
Ele chegou, depois da travessia
Do mar Egeu, fica imóvel, quedo,
Ouvindo a harpa, e o próprio mar a ouvindo
Seu rugido cessou, paralisado.
Byron, no Canto II do "Childe Harold", faz alusão à história de Árion, quando, descrevendo sua viagem, se refere a um dos marinheiros que tocava um instrumento musical, para divertir os demais.
Brilha a lua no céu.
Que noite linda!
A luz prateia as ondas incansáveis.
Os amantes suspiram e as virgens crêem.
Tal nosso fado quando o mar deixamos!
Entrementes, as cordas do instrumento
Tange a mão de algum novo e rude Árion
E a marinhagem escuta, embevecida.


Texto retirado do livro de ouro da mitologia

"Nós nascemos sozinhos, vivemos sozinhos, morremos sozinhos. Somente através do amor e da amizade podemos criar a ilusão por um momento que não estamos sozinhos."

Orson Wells

Fenix

Fenix

Eu

Image and video hosting by TinyPic

Resolutions for life

Resolutions for life

Fale comigo

Atualizações Por Email

Meus textos no Me, Myself and I

"Para obter algo que você nunca teve, precisa fazer algo que nunca fez".

"Quando Deus tira algo de você, Ele não está punindo-o, mas apenas abrindo suas mãos para receber algo melhor".

"A Vontade de Deus nunca irá levá-lo aonde a Graça de Deus não possa protegê-lo".

"Boas meninas vão para o céu.

"Boas meninas vão para o céu.
As más vão para qualquer lugar" H.G.Brown

Beijo BEM DADO!

Beijo BEM DADO!
13 de Abril - Dia do Beijo!

Robert & Kristen

Robert & Kristen
Essa foto é quente!!!

Pervert


Mulher Maravilha

Mulher Maravilha

Visualizações de páginas da semana passada

Robert Pattinson Ai Meu Deus!

Robert Pattinson Ai Meu Deus!
Niver: 13/05

Addicted

Addicted

FREEDOM

FREEDOM
passarinho na gaiola não canta, lamenta.

Yes, I do

Yes, I do

Bruninho bonitinho...

Bruninho bonitinho,
Se vovozinho pegar
Você dormindo no

Meu sofazinho gostosinho,
Vai cortar seu pir*zinho!

TOMA! ! ! ! !


VINGANÇA!!!!!

Seja antes de tudo Humano...

Seja antes de tudo Humano...
Com seu próximo!

Coments...

Coments...

Janelândia

Janelândia
Passo muito tempo aqui. Hoje não mais.

Seguidores

Eu Bloggo! Desde 15/01/08

Eu Bloggo! Desde 15/01/08
TU BLOGAS?

Avise, deixe BEM claro!

Avise, deixe BEM claro!

Memento, Homo, Quiá Pulvis Es Et In Pulverem Reverteris.

“Lembra-te, ó homem, de que és pó e ao pó hás de voltar”.