Marie Taglioni - Pioneira no Ballet


Marie Taglioni

A vida de Marie Taglioni toca cada bailarino hoje. Ela foi a primeira bailarina a dançar na ponta dos
pés. Essa técnica era uma novidade no século XIX, mas agora é uma parte essencial de formação de bailarinos. Com sua técnica e habilidade para equilibrar na ponta dos pés em enervante, sapatilhas de balé soft-toe, Marie fez esse trabalho de ponta que desafia a gravidade virar popular entre os bailarinos e o público. No entanto, era o seu talento, especialmente em seu papel assinatura em La Sylphide, que inspirou um seguimento devotado e mudou para sempre o estilo do ballet.

Marie nasceu em Estocolmo, em 23 abril de 1804 e se mudou com sua família para Viena em uma idade jovem. Seu pai Filippo era um dançarino e coreógrafo, enquanto sua mãe Sophia Karsten Taglioni era a filha de um cantor e autor dramático popular da época, Christopher Karsten. Marie estudou ballet em Viena com seu pai, e em 1822 fez sua primeira apresentação com a idade de 18 em um de seus balés, intitulado La Recepção d'une Jeune Nymphe à la Cour de Terpsichore. Fanny Elssler, uma bailarina austríaca nascida em 1810 e que mais tarde se tornaria um dos maiores rivais de Marie Taglioni, também dançou no corpo de baile para este desempenho. Marie passou a dançar em Munique e Stuttgart, antes de fazer sua estréia com a Ópera de Paris em 1827. Ela se apresentou com a Ópera de Paris para os próximos 10 anos, com seu pai como seu professor primário e coreógrafo.




No palco, Taglioni era conhecida não só por seus balés, mas também pelo seu excelente caráter. Marie criou o papel-título de La Sylphide, em 1832, em uma parte coreografada especialmente para ela por seu pai. Esse papel se tornou sua assinatura e onde pela primeira vez viu-se uma bailarina dançar na ponta dos pés. Ela ficou conhecida como La Taglioni. Um traje especial criado só para ela para essa parte agora é considerado o tutu romântico padrão. Ela usava um corpete de formução-encaixe expondo seu pescoço e ombros, uma saia em forma de sino branco, que terminava no meio da panturrilha e collants rosa. O estilo foi depois reproduzido em ballets como Giselle, em 1841, com coreografia de Jules Perrot e Jean Coralli, e Les Sylphides in 1909 de Michel Fokine.


O estilo de Marie de dança incluía a postura incomum e port de bras, que se tornaram um exemplo da era do ballet romântico. Muitos historiadores acreditam agora que esses movimentos e poses foram originalmente criados por seu pai para compensar uma deformidade nas costas, o que poderia ter sido qualquer coisa de um corcunda a uma curvatura da coluna grave. Qualquer que seja a deficiência, Taglioni se tornou conhecida por seu estilo muito leve e delicado, com braços curvos aéreos, que emolduravam seu rosto, a postura do corpo para frente com as pernas na quarta posição na ponta e os ombros levemente inclinados em effacé.



Como todas as coreografias de Filippo, La Sylphide está perdido para nós. O mais próximo que pode chegar é pela recriação de Auguste Bournonville, feito para o Teatro Real de Copenhague com uma nova pontuação por Herman Severin Løvenskiold em 1836, depois de ter visto Taglioni no papel. Uma alternativa é a reconstrução especulativa feita com a pontuação de Schneitzhoeffer pelo coreógrafo Pierre Lacotte (1972).


La Sylphide tem sido visto como uma obra de época, desde o início. O crítico de música Castil-Blaze datado uma nova época na história da dança com esta criação, e colocar o nome Taglioni ao lado daquele do deus Baco no título de seu livro sobre a história da dança de 1832 Gautier escreveu em 1844: Este ballet marcou uma muito nova era na coreografia, e introduziu o romantismo para o reino da Terpsichore. Depois de La Sylphide, Les Filets de Vulcain e Flore et Zephyre já não eram possíveis: o Opera foi entregue aos gnomos, ondinas, salamandras, elfos, nixes, Wilis, peris e a todos os povos estranhos e misteriosos que se prestam tão maravilhosamente as fantasias dos mestres do balé. [...] Esse novo estilo causou um grande abuso de gaze branca, tule, e tarlatana; tons dissolvidos em névoa por meio de vestidos transparentes. O branco era quase a única cor usada.

A vida pessoal de Marie durante seus anos de desempenho foi caótica e inquieta. Em 1832 ela se casou com o conde Alfred Gilbert de Voisins (eles se casaram no ano de La Sylphide 1832, separaram em 1835 e se divorciaram em 1844). Duas vezes sua carreira foi interrompida por 'mal à genou' ou problemas no joelho; a primeira vez, ele produziu uma filha (1835) e a segunda um filho (1843) - provavelmente ilegítimo, embora ele tenha herdado o nome e título Comte Gilbert de Voisins.


Também a chegada de Fanny Elssler na Ópera em 1834 criou uma rivalidade para a posição de Marie, e a principal razão para tanto Marie e seu pai aceitarem contratos no Teatro Imperial da Rússia, em São Petersburgo em 1837. Lá, eles colaboraram em vários ballets que estreavam em Londres, no Teatro de Sua Majestade após terem sido realizados no Maryinsky na Rússia.

Emma Livry
Marie deu seu último desempenho em 1848, com a idade de 44 anos, após uma carreira de 26 anos. Sua aposentadoria foi de curta duração, no entanto, devido à má gestão de seus fundos. Ela foi forçada a retornar a Paris em 1858 ela voltou para a Opéra como inspectrice de la danse, em 1859, e no ano seguinte foi nomeado Professeur de la classe de perfectionnement. A jovem Emma Livry, considerado seu sucessor como Sylphide, inspirou-a a primeira coreografia. Le Papillon (1860), com música de Jacques Offenbach, novamente leva légèreté sobrenatural como a sua idéia principal, desta vez de empréstimos de forma mais explícita a partir do mundo dos insetos. Uma jovem mulher é alterada por uma fada malvada e ciumenta em borboleta. A borboleta, atraídos por uma tocha de fogo (símbolo de Hymen ou casamento) queima as asas - segundo o qual, com uma reviravolta inesperada e improvável, o feitiço é quebrado. Não se pode pensar de um presságio mais misterioso do final infeliz de Emma Livry de si mesma, ou uma ironia mais trágica. Não muito mais tarde, durante os ensaios para La Muette de Portici em 1862, ela chegou muito perto de uma luz de gás; seu tutu pegou fogo, e ela morreu de suas queimaduras depois de meses de sofrimento.


Durante a década de 1870, Marie Taglioni depois de perder sua fortuna durante a guerra franco-prussiana de 1870-1871, Marie residia em Londres, ensinando dança de salão e comportamento em sua casa. Mais tarde, ela foi morar com seu filho e sua família em Marselha, onde morreu em 1884. Ironia, dos quais tem havido alguns casos, durante a sua vida, não parou com a morte. Depois de ter sido enterrada pela primeira vez em Marselha, seus restos mortais foram posteriormente transferidos para o jazigo da família Gilbert de Voisins no Père Lachaise, em Paris. Hoje em dia a sepultura coberta com sapatilhas de ponta, um presente de aspirantes a bailarinas não é o de Marie, mas o túmulo de Sophie Taglioni Karsten (mãe de Marie), que traz a inscrição Marie Taglioni à sa mère bien Aimée (Marie Taglioni sua mãe amada).

O Túmulo de Marie Taglioni







O Túmulo da Mãe de Marie (equivocadamente indicado como o dela)



La Sylphide – O Ballet

Ato I

É dia do casamento de James. Como ele fica dormindo em uma poltrona junto à lareira à espera de sua noiva Effie e os convidados ele é vigiado pela Sylphide. Ela paira sobre sua cadeira como ele sonha, Ela dança seu amor por ele e impulsivamente o beija. James acorda perplexo. Vendo Sylphide ele pergunta por que ela está lá, mas ela o evita e foge pela chaminé. Amigo de James Gurn chega e, em seguida, Effie e seus amigos, mas James ainda está um pouco desnorteado. Logo ele percebe uma velha mulher (Madge) aquecendo-se junto à lareira, no mesmo local onde tinha visto pela última vez a Sylphide antes que ela voasse para longe. Zangado, ele ataca Madge e quer expulsá-la de sua propriedade, mas seus amigos o convencem a se acalmar e ser mais hospitaleiro. Ela se instala em uma cadeira e se oferece para ler a sorte de Effie e seus amigos. Ela prevê que alguns vão ter filhos saudáveis​​, enquanto outros vão ter filhos que vão morrer. Madge diz Effie ela vai ter muitos filhos e ser muito feliz e como Effie se aproxima de James para compartilhar essas notícias Madge diz que seu futuro está ao lado de Gurn, o que provoca a fúria de James novamente.








Como Effie sobe as escadas para se preparar para a cerimônia e os convidados saem, James é visitado mais uma vez por Sylphide. Ela aparece na janela e ele corre para recebê-la, ajoelhando-se a seus pés, como se fosse uma divindade. Ela se aproxima dele e diz que ela é triste: ela o ama, mas ela sabe que ele ama outra pessoa. Ele tenta animá-la e logo ela enrola o cachecol tartan de James em si. Como os convidados começam a retornar James esconde Sylphide debaixo de sua poltrona com um cobertor xadrez. Gurn, desconfiado do comportamento estranho de James, puxa o cobertor, mas não encontra nada lá. Todos os hóspedes já chegaram e eles dançam juntos, mas Sylphide reaparece provocando James. Ele é incapaz de se concentrar em sua noiva e sua cabeça se volta cada vez mais em direção a Sylphide. À medida que o jovem casal está prestes a trocar alianças Sylphide arrebata o anel de Effie e foge. James corre atrás dela enquanto Effie desolada é consolada pela mãe de James e seus amigos.



Ato 2

O segundo ato começa com Madge e sua dança em torno de um caldeirão fervente, do qual puxa um lenço. Sylphide e James aparecem. Ela mostra-lhe o mundo, convocando outros Sylphs para entretê-lo. Ele declara seu amor por ela. Todos eles dançam juntos, mas ela sempre foge de seu alcance. Frustrado, ele encontra Madge que - fingindo boas intenções - ele dá o lenço e diz-lhe para usá-lo como um meio para captar a Sylphide.





Effie, Gurn e amigos procuram James. Gurn encontra o chapéu dele na floresta, mas Madge o convence a não dizer nada disso. Ela aconselha Effie a esquecer James e se contentar com Gurn. Ele está encantado e imediatamente se propõe a Effie, que o aceita com alguma relutância. Enquanto isso, James mostra o lenço para Sylphide. Ela fascinada e pede para dar a ela, mas como ele enrola o cachecol em volta dela, suas asas caem e ela morre. Os Sylphs a levam embora, enquanto James se entristece. Madge volta e obriga James a ver tudo o que ele perdeu. No fundo ele vê as festividades de comemoração da união de Effie e Gurn. Ele cai no chão desmaiado e Madge sobe em cima dele, triunfante. (Na versão de Johan Kobborg para The Royal Ballet Madge levanta ligeiramente a saia, revelando um pouco de tutu, o que sugere que Madge poderia ter sido uma Sylph caída, sozinha no mundo).










Suposições para a morte 
La Sylphide


Enquanto há fontes para o libreto no folclore de goblins e elfos, parece ter encontrado uma inspiração mais decisiva em algum conhecimento de 'delação', a perda de asas que formigas e cupins sofrem depois de um vôo de acasalamento. Como esses insetos, a Sylphide perde suas asas quando unida com o amante; a conseqüência é a morte. O ato de fazer amor é aqui representado como o envolvimento com um xale encantado. Esta pequena suposição é, naturalmente, aberta a várias interpretações. A mais óbvia e coerente (embora não mais "romântica") parece levar a perda de asas como metáfora para a perda da virgindade, especificamente em uma relação fora dos limites da convenção social ou matrimônio (o amante também é noivo de uma “decente jovem”). Assim, é principalmente uma representação do desejo masculino, que resfria quando o objeto de desejo perde sua "frescura".  O escritor e crítico de ballet Théophile Gautier, que fez sua própria contribuição criativa para a história do balé com o libreto para Giselle (1841), insinuou isso quando ele escreveu que a idéia para a cena da morte do Sylphide foi "com toda a probabilidade derivada da história natural da insetos. Formigas virgens têm asas,  que caem assim que fazem amor. "

La Sylphie 
A roupa




Sapatilhas e roupas de La Sylphide de Marie Taglioni
A roupa desenhada para a Sylphide é o maior exemplo disso: branca, longa e transparente, dava um aspecto irreal à personagem. Foi também uma das maiores revoluções teatrais de nossa era, pois era uma roupa simbólica e que nem sequer parecia com as usadas no dia a dia. O clima etéreo e a ilusão são marcas dessas inovações. Mas a maior novidade foi a construção do ballet inteiro usando sapatilhas de ponta. Temos registros de danças nas pontas dos pés anteriores à estréia de La Sylphide, mas essa foi a primeira peça cuja coreografia original previa o uso de sapatilhas de ponta do início ao final. Essa inovação gerou inúmeras mudanças na dança clássica, inclusive a recolocação do homem nas coreografias, passando a exercer mais o papel de partner do que de bailarino.

Pas-de-deux 
O papel do homem


Os pas-de-deux se tornaram mais sensuais, pois o homem, para dar mais suporte à bailarina, precisa tocá-la com mais freqüência e escorá-la com o próprio corpo. Dois anos depois da estréia de La Sylphide na França, o ballet foi remontado na Dinamarca com nova música e nova coreografia, de Herman Severin Lvenskjold e Auguste Bournonville, respectivamente. Essa é a versão conhecida atualmente, pois da versão de Taglioni só resta o libreto, que foi a única ferramenta utilizada na segunda versão. Foi o libreto que, inclusive, inspirou Bournonville a construir o ballet. Em 1971, o professor Pierre Lacote, após anos de pesquisas baseadas nas descrições e anotações da época, recompôs o ballet de Taglioni. Essa versão é a mais conhecida e dançada por companhias brasileiras.


















Objetos ligados a Marie Taglioni

Sapatilhas e pinturas de Taglioni à esquerda

Sapatilha e molde do pé de Taglioni

Estátua de Taglione exposta no museu Hermitage de São Petersburgo

Folheto de La Sylphide de Theatre Royal Drury Lane
Vídeos

Ballet Evolved - Marie Taglioni 1804-1884



New York City Ballet - Pointe Shoes



How Ballet Pointe Shoes are made


   
Parte da pesquisa: Livro Histórias de Ballet – Luisa Lagoas.
Composição e diagramação: Janette Tamburro

0 comentários:

"Nós nascemos sozinhos, vivemos sozinhos, morremos sozinhos. Somente através do amor e da amizade podemos criar a ilusão por um momento que não estamos sozinhos."

Orson Wells

Fenix

Fenix

Eu

Image and video hosting by TinyPic

Resolutions for life

Resolutions for life

Fale comigo

Atualizações Por Email

Meus textos no Me, Myself and I

"Para obter algo que você nunca teve, precisa fazer algo que nunca fez".

"Quando Deus tira algo de você, Ele não está punindo-o, mas apenas abrindo suas mãos para receber algo melhor".

"A Vontade de Deus nunca irá levá-lo aonde a Graça de Deus não possa protegê-lo".

"Boas meninas vão para o céu.

"Boas meninas vão para o céu.
As más vão para qualquer lugar" H.G.Brown

Beijo BEM DADO!

Beijo BEM DADO!
13 de Abril - Dia do Beijo!

Robert & Kristen

Robert & Kristen
Essa foto é quente!!!

Pervert


Mulher Maravilha

Mulher Maravilha

Visualizações de páginas da semana passada

Robert Pattinson Ai Meu Deus!

Robert Pattinson Ai Meu Deus!
Niver: 13/05

Addicted

Addicted

FREEDOM

FREEDOM
passarinho na gaiola não canta, lamenta.

Yes, I do

Yes, I do

Bruninho bonitinho...

Bruninho bonitinho,
Se vovozinho pegar
Você dormindo no

Meu sofazinho gostosinho,
Vai cortar seu pir*zinho!

TOMA! ! ! ! !


VINGANÇA!!!!!

Seja antes de tudo Humano...

Seja antes de tudo Humano...
Com seu próximo!

Coments...

Coments...

Janelândia

Janelândia
Passo muito tempo aqui.

Seguidores

Eu Bloggo! Desde 15/01/08

Eu Bloggo! Desde 15/01/08
TU BLOGAS?

Avise, deixe BEM claro!

Avise, deixe BEM claro!

Memento, Homo, Quiá Pulvis Es Et In Pulverem Reverteris.

“Lembra-te, ó homem, de que és pó e ao pó hás de voltar”.