Lorenzo de Medici

Lourenço de Medici

Nome completo - Lorenzo di Piero de' Medici
Reinado - 1469-1492
Mãe - Lucrezia Tornabuoni
Morte - 9 de abril de 1492 (43 anos) Careggi,  República Florentina
Enterro - Capela Médici
Ocupação - Banqueiro
Religião - Católico
Cônjuge - Clarice Orsini
Predecessor - Pedro Cosme de Médici
Sucessor - Juliano de Médici


Lorenzo de' Medici; Florença, 1 de janeiro de 1449  Villa Medicea di Careggi, Florença, 9 de abril de 1492) foi um estadista italiano, soberano de fato da República Florentina durante o Renascimento italiano. Conhecido como Lorenzo, o Magnífico (Lorenzo il Magnifico) por seus contemporâneos florentinos, foi um diplomata, político e patrono de acadêmicos, artistas e poetas e também mecenas. Sua vida coincidiu com alguns dos pontos altos do início do Renascimento na Itália, e sua morte marcou o fim da chamada Idade de Ouro de Florença. A paz frágil que ele ajudou a manter entre os diversos Estados italianos entrou em colapso depois de sua morte. Está enterrado na Capela Medicea, em sua cidade natal.

Biografia

Neto de Cosme de Médici (o Velho), era filho de Pedro de Cosme de Médici e de Lucrécia Tornabuoni. Casou-se em 4 de junho de 1469 com Clarice Orsini, chamada Leo, nascida em 1450 e morta em 20 de julho de 1488. Era filha de Giacomo Orsini di Monterotondo. Teve sete filhos, dos quais João de Lourenço de Médici (futuro Papa Leão X). Com a morte de seu pai, em 1469, Lourenço e seu irmão Juliano foram designados "príncipes do Estado" (em italiano principi dello Stato).
O futuro parecia tranquilo até que em 1478 aconteceu a conspiração dos Pazzi, assim chamada em alusão à família envolvida no movimento, na verdade instigado pelos Salviati, banqueiros do Papa Sisto IV, inimigo dos Médicis. Foi feito um plano para matar os dois irmãos Médici no Duomo de Florença, durante a missa, em 26 de abril, um domingo de Páscoa. Juliano morreu, Lourenço escapou, embora ferido, salvo pelo poeta Poliziano, que o trancou na sacristia.
Os autores do plano, entre eles Francesco Salviati, arcebispo de Pisa, foram linchados pelo povo enfurecido. O Papa Sixto IV, cujo sobrinho Girolamo Riario era cúmplice, interditou a cidade de Florença por causa dos assassinatos de Salviati e dos Pazzi, apoiado pelo rei de Nápoles, Fernando I, conhecido como Dom Ferrante.
Sem ajuda de seus tradicionais aliados de Bolonha e Milão, Lourenço partiu sozinho para Nápoles, em 1480, colocando-se nas mãos de Don Ferrante. Este manteve Lourenço cativo durante três meses, antes de libertá-lo com muitos presentes. Graças a sua coragem e talento diplomático, Lourenço convenceu Don Ferrante de que o Papa poderia também voltar-se contra ele, caso obtivesse muito sucesso no
norte. Assim, firma-se a paz ainda em 1480. Com isso, Lourenço forçava o papa a também aceitar a paz. Segundo Maquiavel, Lourenço expôs a própria vida para restaurar a paz, indo pessoalmente negociar condições favoráveis. E mesmo depois de seu êxito, recusou tudo - desejou ser apenas o mais ilustre dos cidadãos de Florença. Com exceção de Siena, toda a Toscana passara a aceitar o governo de Florença, que oferecia o espetáculo de um extenso principado, governado por uma república de cidadãos livres e iguais.
Em geral, Lourenço manteve a política de seu avô, embora tenha sido menos prudente e mais disposto à tirania. Dotado de grande inteligência, governou em um clima de prosperidade pública, aumentando a influência de sua família por toda a Itália, e manteve as instituições republicanas em Florença, ainda que só na aparência: na verdade, Lourenço foi virtualmente um tirano. Utilizava-se de espiões, interferia na vida privada dos cidadãos mas conseguiu levar o comércio e a indústria de Florença a um nível superior ao de qualquer outra cidade da Europa.
Disseram dele: "Dirigiu sua hábil diplomacia de modo a obter paz na península, mantendo os cinco Estados principais unidos diante da ameaça crescente de uma invasão vinda dos Alpes. Florença não poderia ter um tirano melhor ou mais agradável, e o mundo jamais viu outro patrono de artistas e letrados como ele."
Protetor de escritores, sábios e artistas, foi o impulsor das primeiras imprensas italianas. Lorenzo iniciou o movimento renascentista, que rejeita a ciência escolástica e teológica, para valorizar a pesquisa e a busca do sentido da vida, colocando o homem no centro do Universo. Seu palácio tornou-se o centro de uma cultura que, partindo da redescoberta da Antiguidade grega e latina na Europa (uma vez que os impérios islâmicos haviam sido, até então, guardiões e desenvolvedores desta sabedoria), levou a um extraordinário florescimento das artes e das letras naquela parte da Europa. Os maiores artistas e literatos frequentavam a sua corte, mas o que distinguia Lourenço de outros mecenas da época era a sua ativa participação intelectual nas atividades que promovia. Foi um elegante escritor em prosa e um poeta original. Os filósofos Marsílio Ficino e Pico della Mirandola, os poetas Pulci e Poliziano e grandes artistas como Botticelli e Ghirlandaio, eram seus hóspedes habituais. Michelangelo iniciou seus estudos em um ateliê patrocinado por Lourenço.
A paz de Lodi (1454), que havia colocado um fim às disputas entre Veneza e Milão, havia trazido o equilíbrio entre os estados italianos. Em grande parte, tal equilíbrio foi mantido graças às habilidades diplomáticas de Lourenço, considerado "o fiel da balança". De fato, procurava proteger o eixo formado por Florença, Milão e Nápoles das ambições venezianas e da ambiguidade papal. O clima de relativa paz também favoreceu o Renascimento.
Organizador de festas suntuosas, seus gastos excessivos puseram em perigo a fortuna dos Médici e despertaram a ira de Jerônimo Savonarola. Ao final da vida, Lourenço entrou em conflito com Savonarola, mas a lenda que este lhe recusou absolvição antes de morrer a menos que restaurasse a liberdade da cidade de Florença não é confirmada pelos historiadores.
Após sua morte, seu filho e sucessor Pedro II (Piero) (1471-1503) é expulso de Florença por uma revolta instigada por Savonarola, em 1494. O equilíbrio político é rompido e as rivalidades entre os estados italianos acabaram por dar espaço ao envolvimento de potências estrangeiras nas disputas.

Poeta

Lourenço reuniu em sua pessoa a melhor cultura do Renascimento. Diferentemente de muitos humanistas de sua época, apreciava os grandes clássicos italianos dos dois séculos anteriores e na juventude escreveu mesmo uma carta sobre o assunto para Frederico de Aragão, enviando-a com uma coleção de poetas italianos antigos.
Seus poemas são classificados como ótimos, entre os críticos da literatura do século XV, variados em estilo e em assunto, desde canzoni do tipo de Petrarca e sonetos, à semi-paródia de Dante intitulada I Beoni. Suas canzoni a ballo, ou canções populares para dançar dos florentinos, têm uma nota lírica elevada. São consideradas admiráveis suas composições em "oitava rima": a Caccia col Falcone, por exemplo, a Ambra, fábula mitológica sobre o campo florentino, a Nencia da Barberino, pintando o amor rústico de modo idílico. Seus Altercazione, seis cantos em terza rima, discutem a verdadeira natureza da felicidade e encerram com uma prece a Deus de tom algo platônico. Suas Laude são de natureza puramente religiosa. Uma peça, Rapresentazione di San Giovanni e San Paolo, tem curiosa apreciação, bastante moderna, sobre o imperador Juliano. Em enorme contraste, temos suas canções de carnaval, canti carnascialeschi, tão imorais que fazem relembrar a acusação de que Lourenço buscava rebaixar a moralidade dos florentinos de maneira a escravizá-los.

Os Medicis: dinheiro, mito e mistério.

Eles eram uma família de banqueiros de Florença, cuja riqueza alimentou a Renascença, mas sua arte ignora o mundo material. Por quê?

Na ala Sainsbury da National Gallery, em Londres, as obras-primas dos fundadores da arte moderna estão dispostas em todo seu esplendor. A idéia de arte moderna - a nossa crença de que obras de arte merecem ser levadas a sério e não como meros enfeites ou ícones religiosos, mas exibições únicas de imaginação e intelecto - começaram na Itália no Renascimento. A cidade que foi mais auto-consciente sobre essa nova idéia de arte no século 15 era de Florença, e a na ala Sainsbury você pode ver algumas das glórias daquele tempo e lugar: dos irmãos Pollaiuolo São Sebastião, Fra Filippo Lippi de Anunciação, a Vênus de Sandro Botticelli e Marte.

Estes artistas tinham algo importante em comum, além do fato de que todos eles trabalharam no século 15 - Florença. Todos eles tinham laços estreitos com uma família: os Médici. O painel Anunciação por Lippi na verdade vem do palácio Medici, e Antonio del Pollaiuolo pintava decorações para este templo doméstico das artes. Botticelli era um protegido Medici, que se retrata entre os homens desta linhagem famosa em sua Adoração dos Magos na Uffizi.

Os Medicis estão entre os patronos de arte mais famosas da história, e com razão. Mas aqui está uma coisa fascinante: eles também estão entre os arquitetos da economia moderna. Eles foram os maiores banqueiros de seu tempo, e o banco Medici foi pioneiro nos aspectos cruciais das finanças modernas. Eles eram "cambiais dealers", que promulgou uma "transfiguração das finanças", destaca o historiador financeiro Niall Ferguson. Quando olhamos para a Vênus de Botticelli, estamos olhando para o dinheiro dos Medici.

Uma exposição no Palácio Strozzi, em Florença chamada Dinheiro e Beleza, irá explorar este aspecto muito contemporâneo dos Médicis. Esta mostra oportuna propõe, de acordo com o comunicado de imprensa, para "mostrar como o sistema bancário moderno desenvolvido em paralelo com o florescimento artístico mais importante na história do mundo ocidental". Parece fascinante. Mas há um aspecto da relação entre arte e dinheiro dos Medici de Florença que é profundamente enigmático.

Na ala Sainsbury, você pode facilmente ver os frutos generosos dos Medici. Lorenzo Medici escolheu ter-se retratado não trabalhando no banco, mas, nas vestes dos Reis Magos. Ele encomendou pinturas não do mercado, mas da mitologia. Há um contraste gritante entre a arte da Florença renascentista, com suas recriações apaixonadas do mito clássico e história, e os realismos crus de retratos do norte da Europa de empresários. O retrato de Hans Holbein de um comerciante cercado pelos instrumentos de seu comércio não tem equivalente na arte associada com a família Medici. Por que isso?

Uma resposta pode estar na história da própria família. O banco Medici foi trazido para o primeiro plano da economia européia por Giovanni di Bicci de 'Medici, que morreu em 1429. Seu filho Cosimo era o homem mais rico da Europa. No entanto, Cosimo não queria ganhar o título honorário de "Pai de seu país" por meio do brilho financeiro. Ele foi dado porque ele usou a riqueza dos negócios da família para remodelar política florentina. Essa obsessão com a política cresceu até o Medici mais poderoso e carismático de todos, Lorenzo, o Magnífico, que o decaimento do banco enquanto ele se concentrou em executar o Estado florentino.

Moisés de Michelangelo
É uma estranha ironia que a Florença renascentista tenha sido construída pela inovação capitalista. Política, não o dinheiro, dominou a cultura desta cidade. O beneficiário final do patrocínio dos Medici foi Michelangelo, que compartilhou tanto o instinto de Medici para ganhar dinheiro e a determinação Medici a ignorá-lo. Seu Moisés realmente tem coisas mais elevadas do que o dinheiro em mente.

A ausência de imagens financeira na arte florentina do Renascimento pode até explicar por que a cidade entrou em declínio cultural depois de 1529. Os Medicis mais tarde completaram a mudança de comerciantes para aristocratas e até membros da realeza. Como eles fizeram para si Duques da Toscana e casaram com famílias reais europeias, a arte e a arquitetura de Florença perderam gradualmente seu brilho. A moral pode ser que: se o dinheiro faz a arte, o desprezo esnobe para o dinheiro pode matá-la.

As bolas vermelhas – O escudo de armas Medici

História
Brasão de Armas da família Medici têm sido associados com uma carga de balas de canhão em um escudo de ouro. É bem visível em edifícios em toda Florença e Toscana que têm conexões com os Medici ou que foram financiados com dinheiro Medici. Um indignado contemporâneo Cosimo il Vecchio declarou que "Se ele pudesse estamparia também nos trajes dos monges seu escudo com suas bolas".

Origem
O brasão da família Medici tem sido objeto de muita especulação histórica. A explicação mais romântica (e absurda) de origem do brasão é que as bolas são realmente mossas em um escudo, infligidas pelo temível gigante Mugello em um dos cavaleiros de Carlos Magno, Averardo (de quem, diz a lenda, a família era descendente). O cavaleiro finalmente venceu o gigante e, para marcar a sua vitória, Carlos Magno permitiu a Averardo para usar a imagem do escudo maltratada como seu brasão de armas.

Outros dizem que as bolas tinham origens menos exaltadas: que eram moedas 'penhoristas, ou pílulas medicinais (ou ventosas), que lembrou as origens da família como médicos (Médici) ou boticários. Outros dizem que são bezants, moedas bizantinas, inspirados nos braços da Arte del Cambio (ou Guilda dos banqueiros, organização da qual os Médici pertenciam).

Palle, Palle, Palle
Em tempos de perigo, os defensores Médici foram reunidos com gritos de Palle! Palle! Palle! Uma referência para as bolas (Palle) em seu brasão. Seja qual for a origem do emblema da família Medici, é interessante a nota que o número de bolas retratados neles é variada. Originalmente, havia 12; no tempo de Cosimo de Medici era sete; o de San Lorenzo Sagrestia Vecchi tem oito; a tumba de Cosimo I na Capela dos Médici tem cinco; e casaco de Ferdinando I de braços no Forte di Belvedere, seis.

Basilica di San Lorenzo

ARTE TUMULAR
Magnífico monumento tumular executado por Michelangelo totalmente em mármore, medindo 6,30 metros de altura por 4,20 metros de largura. Ao mesmo tempo, Michelangelo executou o túmulo de Giuliano, irmão de Lorenzo. A similaridade na composição geral é contrastada pela
particularidade de cada um. Neste túmulo, Lorenzo é retratado sentado no alto do monumento, retrocedendo para as sombras, o seu corpo apresenta-se fechado, com as pernas cruzadas e sua mente em profundo pensamento. Representa um homem misteriosamente introspectivo. Notem que a luz é interrompida pelo capacete da escultura e ao mesmo tempo dificultada pela mão esquerda que a luz cheque ao rosto. É uma figura que faz jus ao apelido de Lorenzo: “Il Pensieroso”. Seu cotovelo esquerdo proibitivamente repousa sobre uma caixa de dinheiro, aposta sobre a sua perna esquerda, decorada com uma máscara feroz. Foi desta forma que Michelangelo retratou a figura de Lorenzo Il Magnifico. Logo abaixo, aos seus pés, sobre um sarcófago estilizado é retratada a figura do Dia e da Noite, na forma de um homem e uma mulher.

Do lado esquerdo, estirada sobre o sarcófago, destaca-se a figura do Entardecer, sugerindo a emergência da luz a partir do manto da escuridão. Ela é retratada  como uma exuberante figura feminina jovem, totalmente nua, com os seios duros e altivos e um corpo voluptuoso. O seu rosto apresenta-se contorcido pela dor no momento que levanta o véu da sua cabeça exigindo luz. Essa escultura mede aproximadamente 2 metros de comprimento.

Do lado direito, em contraposição do Entardecer, destaca-se o Amanhecer. Retratado na figura masculina de um jovem, também totalmente nu. Embora o seu rosto esteja inacabado, notem que os seus traços apresentam uma ligeira semelhança com o próprio Michelangelo. Essa escultura também mede cerca de 2 metros de comprimento.

Simbolismo
As esculturas no topo do sarcófago, Amanhecer e Entardecer, eram para simbolizar a mortalidade do ser humano, sendo que a escultura de Lorenzo representaria o Paraíso, ou o outro mundo, para o qual teria ido.


Autor da obra: Michelangelo Buonarroti (Caprese, 06.03.1475 – Roma, 18.02.1564)
Local Basílica di San Lorenzo, Florença, Toscana, Itália
Fotos: italian-renaissance-art.com, Mike Reed, Gines Maru.
Descrição tumular: Helio Rubiales 




















0 comentários:

"Nós nascemos sozinhos, vivemos sozinhos, morremos sozinhos. Somente através do amor e da amizade podemos criar a ilusão por um momento que não estamos sozinhos."

Orson Wells

Fenix

Fenix

Eu

Image and video hosting by TinyPic

Resolutions for life

Resolutions for life

Fale comigo

Atualizações Por Email

Meus textos no Me, Myself and I

"Para obter algo que você nunca teve, precisa fazer algo que nunca fez".

"Quando Deus tira algo de você, Ele não está punindo-o, mas apenas abrindo suas mãos para receber algo melhor".

"A Vontade de Deus nunca irá levá-lo aonde a Graça de Deus não possa protegê-lo".

"Boas meninas vão para o céu.

"Boas meninas vão para o céu.
As más vão para qualquer lugar" H.G.Brown

Beijo BEM DADO!

Beijo BEM DADO!
13 de Abril - Dia do Beijo!

Robert & Kristen

Robert & Kristen
Essa foto é quente!!!

Pervert


Mulher Maravilha

Mulher Maravilha

Visualizações de páginas da semana passada

Robert Pattinson Ai Meu Deus!

Robert Pattinson Ai Meu Deus!
Niver: 13/05

Addicted

Addicted

FREEDOM

FREEDOM
passarinho na gaiola não canta, lamenta.

Yes, I do

Yes, I do

Bruninho bonitinho...

Bruninho bonitinho,
Se vovozinho pegar
Você dormindo no

Meu sofazinho gostosinho,
Vai cortar seu pir*zinho!

TOMA! ! ! ! !


VINGANÇA!!!!!

Seja antes de tudo Humano...

Seja antes de tudo Humano...
Com seu próximo!

Coments...

Coments...

Janelândia

Janelândia
Passo muito tempo aqui.

Seguidores

Eu Bloggo! Desde 15/01/08

Eu Bloggo! Desde 15/01/08
TU BLOGAS?

Avise, deixe BEM claro!

Avise, deixe BEM claro!

Memento, Homo, Quiá Pulvis Es Et In Pulverem Reverteris.

“Lembra-te, ó homem, de que és pó e ao pó hás de voltar”.