Calipso

CALIPSO
Calipso era uma ninfa do mar, expressão que abrange numerosa classe de divindades femininas de categoria inferior, mas que, ao mesmo tempo, compartilhavam muitos dos atributos dos deuses. Calipso acolheu Ulisses hospitaleiramente, entreteve-o com magnificência, apaixonou-se por ele e procurou retê-lo para sempre, conferindo-lhe a imortalidade. Ele, porém, manteve sua disposição de regressar à pátria, para junto da esposa e do filho. Calipso, afinal, recebeu ordens de Jove para deixá-lo partir. A mensagem foi levada por Mercúrio, que a encontrou em sua gruta, assim descrita por Homero:
Verdejante, viçosa trepadeira
Forrava os muros da espaçosa gruta.
Em torno, quatro fontes cristalinas
Derramavam na terra a pura linfa,
Que corria em regatos sinuosos,
Entre a verdura tenra, que violetas
Purpúreas enfeitavam.
Era um cenário
Que qualquer deus veria com deleite.

Embora com muita relutância, Calipso dispôs-se a obedecer às ordens de Júpiter. Forneceu a Ulisses os recursos para a construção de uma jangada, aprovisionou-o bem e assegurou-lhe um vento favorável. Ulisses viajou satisfatoriamente durante muitos dias, até que, afinal, quando já estava à vista da terra, desencadeou-se uma tempestade, que derrubou o mastro e ameaçou fazer soçobrar a embarcação. Nessa situação crítica, ele foi visto por uma ninfa do mar que, compadecida, pousou na jangada, sob a forma de um corvo marinho, e ofereceu-lhe um cinto, aconselhando-o a colocá-lo, pois, se fosse obrigado a se lançar à água, esse cinto o faria flutuar, permitindo-lhe alcançar a terra a nado.

Em seu romance Telêmaco, Fénelon conta-nos as aventuras do filho de Ulisses, quando à procura do pai. Entre outros lugares aonde chegou o jovem, seguindo as pegadas paternas, estava a Ilha de Calipso e, como no caso anterior, a deusa tentou todos os artifícios para conservá-lo consigo e ofereceu-se para compartilhar com ele a imortalidade. Minerva, porém, que acompanhava o jovem, sob a forma de Mentor, e dirigia todos os seus movimentos, o fez repelir as tentações da deusa e, quando nenhum outro meio foi encontrado para escapar, os dois amigos lançaram-se de um rochedo ao mar e nadaram até um navio que se encontrava ao largo. Byron faz alusão ao pulo de Telêmaco e Mentor nos seguintes versos: 
Surge no mar a ilha de Calipso
Onde sorri um porto, embora a deusa
Formosa de chorar cessara há muito,
Como cessou de olhar sobre o rochedo
Aquele que escolheu mortal esposa.
Aqui também seu filho ao mar, ousado,
Se atirou, a conselho de Mentor,

Deixando suspirosa a linda deusa.

0 comentários:

"Nós nascemos sozinhos, vivemos sozinhos, morremos sozinhos. Somente através do amor e da amizade podemos criar a ilusão por um momento que não estamos sozinhos."

Orson Wells

Fenix

Fenix

Eu

Image and video hosting by TinyPic

Resolutions for life

Resolutions for life

Fale comigo

Atualizações Por Email

Meus textos no Me, Myself and I

"Para obter algo que você nunca teve, precisa fazer algo que nunca fez".

"Quando Deus tira algo de você, Ele não está punindo-o, mas apenas abrindo suas mãos para receber algo melhor".

"A Vontade de Deus nunca irá levá-lo aonde a Graça de Deus não possa protegê-lo".

"Boas meninas vão para o céu.

"Boas meninas vão para o céu.
As más vão para qualquer lugar" H.G.Brown

Beijo BEM DADO!

Beijo BEM DADO!
13 de Abril - Dia do Beijo!

Robert & Kristen

Robert & Kristen
Essa foto é quente!!!

Pervert


Mulher Maravilha

Mulher Maravilha

Visualizações de páginas da semana passada

Robert Pattinson Ai Meu Deus!

Robert Pattinson Ai Meu Deus!
Niver: 13/05

Addicted

Addicted

FREEDOM

FREEDOM
passarinho na gaiola não canta, lamenta.

Yes, I do

Yes, I do

Bruninho bonitinho...

Bruninho bonitinho,
Se vovozinho pegar
Você dormindo no

Meu sofazinho gostosinho,
Vai cortar seu pir*zinho!

TOMA! ! ! ! !


VINGANÇA!!!!!

Seja antes de tudo Humano...

Seja antes de tudo Humano...
Com seu próximo!

Coments...

Coments...

Janelândia

Janelândia
Passo muito tempo aqui.

Seguidores

Eu Bloggo! Desde 15/01/08

Eu Bloggo! Desde 15/01/08
TU BLOGAS?

Avise, deixe BEM claro!

Avise, deixe BEM claro!

Memento, Homo, Quiá Pulvis Es Et In Pulverem Reverteris.

“Lembra-te, ó homem, de que és pó e ao pó hás de voltar”.